Os melhores games de 2023

2023 trouxe uma fartura de títulos que é raramente vista no mercado. O ano está acabando e definimos os nossos 10 favoritos.

Os melhores games de 2023

De tempos em tempos, alguns anos tornam-se extraordinários na indústria de games pela quantidade massiva de obras de alta qualidade lançadas em um curto espaço de tempo. 2023 foi um destes exemplos que não víamos há anos. Depois de um 2022 que Elden Ring carregou nas costas, diversos títulos acabaram adiados para o ano que se encerra e, felizmente, a tática deu bastante certo.

Não teve um único mês de 2023 em que os jogadores ficaram carentes de ótimos lançamentos. E assim que terminava um, já havia outro interessante para se aventurar mais uma vez. Logo, separar esses dez grandes jogos em uma lista foi uma tarefa difícil e até mesmo polêmica, já que alguns dos favoritos de muita gente podem acabar não figurando na seleção. 

Pela quantidade massiva de títulos, deixamos aqui as menções honrosas antes de entrarmos na seleção que separamos. Todos os jogos mencionados são tão bons quanto os da lista, mas não couberam no ranking. Com isso, recomendamos Street Fighter 6, Dead Space, Hi-Fi Rush, Like a Dragon Ishin, Like a Dragon Gaiden, System Shock, Final Fantasy XVI, Sea of Stars, Robocop: Rogue City e Starfield.

10 – Avatar: Frontiers of Pandora

Provavelmente essa escolha vai ser uma das mais polêmicas da lista, visto que o consenso da crítica é bem dividido em relação a esse novo jogo da Massive e da Ubisoft. Lançado há poucos dias, Avatar: Frontiers of Pandora consegue impressionar por enfim apresentar o poderio gráfico que a nova geração de consoles é capaz de proporcionar, além de apresentar conceitos que são muito pertinentes à proposta da franquia. O jogo é divertido, mas precisa de ajustes para corrigir alguns problemas de dificuldade. Uma pena que a história, porém, é um dos elementos mais fracos, não saindo da zona de conforto que a franquia possui em termos de narrativa desde a sua origem.

9 – Diablo IV

Na época do lançamento de Diablo IV, em junho, praticamente toda a imprensa especializada só falava no jogo. E tinha um ótimo motivo, ele era excelente e foi um dos meus grandes favoritos do ano. A história é boa, o gameplay viciante e divertido, além de boas batalhas contra chefões espalhados em diversas atividades em um mapa de mundo aberto funcional. Porém, a Blizzard fez tantos microajustes para “balancear” o gameplay que acabou prejudicando um monte a fluidez do jogo. Hoje, ele está melhor, mas ainda assim não se trata da experiência marcante das primeiras semanas do título que foi um dos meus grandes favoritos. 

8 – Armored Core VI: Fires of Rubicon

Fires of Rubicon é o jogo mais recente da série Armored Core, da ilustre desenvolvedora From Software. Essa série esteve dormente por vários anos enquanto a From esteve ocupada com a série Dark Souls e seus derivados, que tornaram-se o carro chefe da empresa. Em Armored Core VI, eles conseguiram utilizar tudo o que aprenderam neste período e refinaram ainda mais o gameplay. É muito satisfatório modificar seu mecha, descobrindo diferentes combinações de armas que vão te auxiliar a cumprir as mais diversas missões.

7 – Alan Wake 2

Sim, não perdi minha cabeça por Alan Wake 2. O jogo extremamente elogiado do ano se assemelha mais a um filme interativo. Sam Lake consegue resgatar as bizarrices típicas já apresentadas há 13 anos em uma aventura sombria muito bela graficamente, além de apresentar um ótimo design de produção. Entretanto, pelos problemas de ritmo, previsibilidade da história e poucos elementos divertidos de jogabilidade, gostar de Alan Wake 2 pode ser um enorme desafio para muita gente. Ainda assim, há elementos revolucionários dignos de nota, como as mudanças imediatas no cenário através da abordagem narrativa que Alan decide escolher em algumas passagens – algo bastante inovador.

6 – Marvel’s Spider-Man 2

Enquanto decepciona em termos narrativos se comparado ao primeiro jogo, a então aguardada sequência produzida pela Insomniac é um dos games mais divertidos do ano, trazendo ainda mais aprimoramentos de jogabilidade – tanto no combate quanto na exploração sempre satisfatória do mapa de Manhattan. Os visuais são impressionantes, assim como as batalhas contra chefes. Enquanto tudo que torna Marvel’s Spider-Man 2 extremamente divertido e prazeroso de jogar, diversos deslizes são cometidos na narrativa, principalmente nas missões secundárias que são bastante preguiçosas. 

5 – Resident Evil 4

O clássico do PS2 está de volta em mais um excelente remake da Capcom. O RE4 original foi onde a série tomou uma guinada definitiva em direção a predominância da ação no jogo e aqui este aspecto está ainda mais presente. Leon possui uma ampla variedade de armas, as munições são encontradas facilmente eliminando inimigos, em áreas específicas do cenário ou comprando no mercador. Além disso há uma grande variedade de golpes melee e temos também a nova mecânica do parry. A DLC Separate Ways da Ada é uma excelente adição que está bem diferente da versão presente no original e a ação frenética do modo mercenários é extremamente satisfatória.

4 – Hogwarts Legacy

Hogwarts Legacy é o jogo que todo fã de Harry Potter sonhava. Aqui temos um mapa enorme incluindo não apenas o famoso castelo de Hogwarts, mas também o povoado de Hogsmeade e seus arredores. No decorrer da aventura que se passa um século antes das aventuras do menino que sobreviveu, você vai aprender os mais diversos feitiços com seus professores e enfrentar as mais variadas criaturas, bruxos das trevas e duendes malignos e explorar o imenso mapa em cima de uma vassoura ou montado em um hipogrifo ou um testrálio, colecionar criaturas mágicas, confeccionar suas próprias poções e muito mais. No jogo, dependendo de suas escolhas, você ainda pode trilhar um caminho sombrio aprendendo as maldições imperdoáveis.

3 – Star Wars Jedi: Survivor

A EA surpreendeu este ano com dois grandes títulos: o remake de Dead Space e a sequência de Star Wars Jedi: Survivor. O jogo que sofreu alguns adiamentos chegou em um estado técnico bastante complicado, principalmente nos PCs, mas atualmente está muito melhor otimizado e finalizado. Agora, explorar os planetas dessa aventura agitada ficou muito mais interessante. Fora isso, tirando nosso primeiro colocado da lista, o jogo apresenta a melhor narrativa do ano, trazendo mudanças muito satisfatórias para o protagonista Cal Kestis, além de guardar boas reviravoltas. O maior problema fica mesmo na cadência problemática do jogo, que se torna apressado em fechar sua narrativa em questão de apenas duas horas para a conclusão do game. Fora isso, certamente é uma obra digna do seu tempo.

2 – Super Mario Bros. Wonder

A Nintendo trouxe excelentes lançamentos em 2023, mas nenhum chegou tão perto de me conquistar como Super Mario Bros. Wonder que resgata uma magia única da franquia em seus games 2D. Belíssimo, carismático e divertido, o jogo traz inúmeras fases que garantem horas de entretenimento, além de trazer uma ótima história descompromissada. Sendo esse o primeiro contato de uma nova geração de jogadores com Mario, se trata de um começo praticamente perfeito. 

1 – Baldur’s Gate 3

Finalmente disponível para todas as plataformas atuais, Baldur’s Gate 3 será o jogo que vai fazer você aceitar que jogos de turno também são muito divertidos. Com diversas classes e mecânicas distintas para experimentar, cada confronto do jogo traz um vasto oceano de possibilidades para o jogador testar e descobrir novos modos de driblar os desafios que o jogo traz. O game supre também qualquer exigência que o jogador possa ter com a narrativa que oferece diversas possibilidades para progredir a história que é muito cativante. Além disso, os personagens originais são muito carismáticos e já se tornaram icônicos por si só. Não há erro com Baldur’s Gate 3, é realmente o melhor jogo do ano.