Disputa pelo testamento de Angela Maria gera conflito entre viúvo e filhos adotivos

Revelações sobre a divisão de bens e alegações de ocultação de patrimônio alimentam controvérsia familiar após a morte de Angela Maria

Angela Maria - Foto: Reprodução / YouTube
Angela Maria – Foto: Reprodução / YouTube

A contenda em torno do testamento da saudosa cantora Angela Maria, um dos ícones da música brasileira, falecida aos 89 anos em setembro de 2018, ganha destaque ao revelar uma disputa entre seu viúvo, Daniel D’Angelo, e os filhos adotivos da artista. Segundo informações da colunista Fabíola Reipert, o testamento legava metade dos bens para o marido e a outra metade para os filhos, desencadeando um embate familiar acirrado.

De acordo com a jornalista, as três filhas mulheres da cantora estariam envolvidas na controvérsia, enquanto o filho do casal estaria ao lado do viúvo. As herdeiras de Angela Maria alegam que Daniel D’Angelo estaria deliberadamente ocultando parte do patrimônio da artista, incluindo saldo bancário, obras de arte e joias. Além disso, acusam-no de ter as impedido de visitar a mãe durante seu período de vida.

Segundo relatos, a residência deixada por Angela Maria, avaliada em R$ 1,8 milhão e atualmente ocupada por Daniel, estaria em risco de ser leiloada devido a atrasos no pagamento do IPTU, com as filhas tendo quitado as dívidas para evitar a perda do imóvel.

Viúvo de Angela Maria comenta sobre atrasos em contas

Em resposta às alegações, Daniel D’Angelo afirma que o atraso no IPTU foi uma manobra dos advogados das filhas para tumultuar o inventário e assegura que todas as parcelas estão em dia. Quanto aos bens supostamente ocultados, ele declara que foram alvos de dois assaltos.

Sobre as acusações de proibir visitas, o viúvo sustenta que era um desejo expresso pela própria Angela Maria. Um boletim de ocorrência registrado pela artista contra duas das filhas foi divulgado, onde Angela revela ter enfrentado constrangimentos devido ao desejo delas de vender a casa onde vivia para obter sua parte. Daniel D’Angelo, que foi inventariante do testamento e companheiro de Angela Maria por 41 anos, enfrenta uma batalha complexa que mistura questões legais e familiares em torno do legado da lendária cantora.