Ana Hickmann e Alexandre Correa enfrentam nova ação judicial por dívida de IPTU

A apresentadora Ana Hickmann e Alexandre Correa estão está disposto a negociar a dívida, afirma advogado do empresário

Alexandre Correa e Ana Hickmann — Foto: Reprodução/ Instagram @ahickmann
Alexandre Correa e Ana Hickmann — Foto: Reprodução/ Instagram @ahickmann

A apresentadora Ana Hickmann e Alexandre Correa estão enfrentando uma nova ação movida pela Prefeitura de São Paulo na Justiça, referente a uma dívida de IPTU. Procurados pela ‘Quem‘, apenas o advogado do empresário, Enio Murad, respondeu sobre o caso, destacando que seu cliente está disposto a negociar a dívida.

Alexandre Correa protocolou em todos os processos de execução um pedido de audiência de conciliação com os credores. Da parte de Alexandre, ele está disponível para pagar a sua parte. Inclusive, hoje vai realizar reunião com os credores. Lamento que até o IPTU do casal seja tema tratado publicamente“, afirmou o advogado sobre a reunião agendada para esta quinta-feira (25/01).

De acordo com o TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo), a ação movida na terça-feira (23) é no valor de R$ 26.201,00. Essa é a terceira vez que a prefeitura entra com uma ação contra o ex-casal para o pagamento do IPTU. A primeira foi em 2021, no valor de R$ 28.829,00, segundo informações do jornal ‘Extra’.

Alexandre Correa, ex-marido de Ana Hickmann, acusa governo Lula por falência pessoal

O ex-marido da apresentadora Ana Hickmann, está pleiteando à Justiça a suspensão da execução das dívidas da empresa ‘Hickmann Serviços LTDA‘. Envolvido em denúncias de violência doméstica enquadradas na Lei Maria da Penha, Correa busca a recuperação judicial como medida para evitar a falência da empresa da qual ele e Ana são sócios. A proposta apresentada pela defesa destaca que a recuperação judicial é considerada uma estratégia crucial para preservar a empresa, que é descrita como “sempre próspera”.

Reconhecido por suas posições alinhadas ao ex-governo de Jair Bolsonaro, o empresário associa a suposta queda de seus negócios à administração vigente do presidente Lula. “A exemplo das diversas grandes marcas e franquias que fecharam as portas no Brasil após o início do governo atual e da crise que assola o mundo em face de duas grandes guerras em plena e contumaz beligerância e dos resquícios do fechamento do comércio após a pandemia do covid-19“, diz trecho do documento da defesa divulgado pelo site da revista ‘Veja‘ em dezembro de 2023.