Jack Antonoff revela que quarto álbum do Bleachers sairá em 2022; confira

O último álbum da banda 'Take The Sadness Out Of Saturday Night' foi lançado em julho do ano passado

Jack Antonoff revela que quarto álbum do Bleachers sairá em 2022; confira
Jack Antonoff revela que quarto álbum do Bleachers sairá em 2022; confira

Jack Antonoff confirmou que o quarto álbum dos Bleachers deverá sair até o final de 2022. A simples declaração veio em um tweet postado neste final de semana, com Antonoff escrevendo, “Eu vou lançar um álbum dos Bleachers este ano”.

O último disco da banda com ele, ‘Take The Sadness Out Of Saturday Night‘, foi lançado em julho do ano passado, pouco mais de quatro anos após o lançamento de ‘Gone Now‘ em junho de 2017. E antes disso, veio Terrible Thrills, Vol. 2‘ em 2015 e ‘Strange Desire‘ em 2014.

Veja também:

Porém os fãs não devem se animar tanto, visto que Antonoff declarou que lançaria ‘Take The Sadness Out Of Saturday Night‘ (então sem título) em janeiro de 2020, depois de anunciar em março de 2019 e só lança-lo mesmo em 2021.

Antes de seu eventual lançamento, ‘Take The Sadness Out Of Saturday Night‘ gerou quatro singles, começando com ‘Chinatown‘ – uma colaboração com Bruce Springsteen, ‘Stop Making This Hurt ‘ veio em maio de 2021, seguido por ‘How Dare You Want More‘ e com Lana Del Ray em ‘Secret Life’.

O grupo também lançou recentemente ‘Live At Electric Lady‘, um LP de nove faixas de canções gravadas ao vivo no estúdio de Nova York. Entre seus destaques estavam as novas versões de ‘Chinatown’ e ‘What’d I Do With All This Faith?‘ (este último com vocais convidados de St. Vincent ), bem como covers de The Waterboys em ‘The Whole Of The Moon‘ e The Cars com ‘Drive‘.

Jack Antonoff fala sobre o sucesso ‘All Too Well’ de 10 minutos de Taylor Swift

Taylor Swift e Jack Antonoff. Crédito: Kevin Mazur / Getty Images
Taylor Swift e Jack Antonoff. Crédito: Kevin Mazur / Getty Images

Jack Antonoff falou sobre o sucesso da versão de 10 minutos de ‘All Too Well‘ de Taylor Swift, que apareceu na regravação ‘RED (Taylor’s Version)’ lançada em novembro. Antonoff produziu a versão estendida da música e em uma nova entrevista para Relix foi questionado sobre a comoção que a música causou, já que no mês passado, ela quebrou o recorde de música mais longa a atingido topo da Billboard Hot 100 e o que isso diz sobre os hábitos do ouvinte.

Você tem que amar esses momentos e mantê-los perto. Minha resposta inicial foi chamar todos na indústria que me disseram que ninguém tem mais capacidade de atenção”, disse Antonoff.

A propósito, a lição disso não é fazer uma música de 10 minutos, a lição disso é não ouvir o que a indústria diz. Quer dizer, isso acontece uma e outra vez. Você pode imaginar, há 20 anos, alguém dizendo que armadilha seria o maior gênero em algum momento? É insano“, relatou ele.

O músico ainda continuou falando sobre outras tendências recentes que vão contra as normas da indústria, citando especificamente a compositora Rebecca Lucy Taylor – também conhecida como Self Esteem. “Há uma coisa que eu amo que está acontecendo no Reino Unido agora que tem esse tipo de versos falados no estilo Lou Reed com refrões super melódicos que todas essas bandas estão fazendo”.

Tem um artista específico chamado Self Esteem, que eu amo. Portanto, está ficando difícil e isso não é algo que você esperaria X anos atrás. As previsões da indústria sobre arte são um conceito absurdo e tira toda a alegria de tudo. Toda a empolgação da arte e da música, da performance ao vivo e da produção de discos é que não temos a menor ideia do que vai acontecer a seguir”.