Fanboys mimados criam petição para remake de ‘The Last of Us: Part II’

O exclusivo de PlayStation 4 quebrou recordes de vendas e tem sido aclamado pela crítica.

Imagem capturada de The Last of Us: Part II no PS4 Pro

The Last of Us: Part II finalmente chegou às lojas, e já quebrou recorde de vendas para o lançamento de um exclusivo do PlayStation 4.

A crítica também tem aclamado a jogabilidade e a história do game, que recebeu nada menos que nota 94/100 no Metacritic. Entretanto, a nota dos usuários tem uma média desfavorável e parou em apenas 4.5.

Mas por quê, vocês me perguntam?

Muitos “fãs” da franquia ficaram revoltados com a revelação de que Ellie, uma das protagonistas da trama, é lésbica. Agora que a segunda parte do game é centrada especificamente na personagem, isso se tornou ainda mais insustentável para essa parte do público.

Outra coisa que incomodou foi a adição de Abby, uma mulher forte, musculosa e de moral extremamente duvidosa que age de forma polêmica no decorrer da história do jogo – que foi de fato pensado para causar essas sensações no público.

Entretanto, essa parte dos “fãs” não entende nuances, e preferia uma história clichê que se adequasse ao que esperavam.

Ao que isso levou?

Os fanboys mimados encheram as páginas de The Last of Us: Part II com notas baixas e resenhas negativas. Entretanto, quando é feito um comparativo entre as reviews positivas e as negativas, logo se vê a diferença de conteúdo que denuncia se tratar de trolls incomodados com a história nada machista e homofóbica do jogo.

Confira o comparativo entre uma review positiva e uma negativa, que podem ser encontradas na página do jogo no Metacritic:

Positiva

“Quando os créditos foram lançados em The Last of Us Part 2, eu ainda estava zumbindo da emoção das últimas horas. Minha lealdade mudou entre os personagens. Aprendi a amar quem odiava e a não gostar de quem amava. Eu ri, chorei. Eu senti raiva e euforia. É a nova marca d’água máxima para os personagens de videogame e mal posso esperar para que todos vejam como é especial. Assim que terminou, iniciei o New Game Plus e o estou novamente de olhos abertos, o contexto da história final imprimindo novo significado nas cenas e personagens iniciais. Não estou mais no escuro.”

Negativa

“É uma merda porque é uma merda, porque é uma merda é uma merda é uma merda é uma merda é uma merda é uma merda é uma merda aaaaaa.”

Além disso, os fãs criaram uma petição para que seja feito um remake do game, que conta com 20 mil assinaturas – um número consideravelmente baixo em comparação com os milhões de vendas obtidas pela Sony com The Last of Us: Part II.

É mole?

Cinco anos depois de sua perigosa jornada através dos EUA pós-pandêmico, Ellie e Joel se estabeleceram em Jackson, Wyoming. Viver em uma comunidade de sobreviventes, permitiu que eles tivessem paz e estabilidade, apesar da ameaça constante de infectados e sobreviventes desesperados. Quando um evento violento acaba com a paz, Ellie embarca em uma jornada para buscar justiça e encontrar um encerramento. Enquanto ela caça todos os responsáveis, ela é confrontada pelas repercussões físicas e emocionais de suas ações.

Paulo Cesar Góis, tradutor e redator. Foi introduzido por Harry Potter no mundo nerd. Desde então devorou de Duna a Sandman, e usa a fantasia e a ficção científica para tornar o universo um pouco mais mágico.