O ”Quarteto Fantástico” dos anos 2000 era para ser uma trilogia?

Os fãs esperavam que o orçamento aumentasse e alguns dos desejos de Tim Story para o terceiro filme provavelmente custariam mais dinheiro para o licenciamento, se funcionassem.

Embora os filmes não tenham sido fracassos de bilheteria, Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado” e seu antecessor não atingiram os objetivos que a Fox queria, o que significava que seu futuro não estava claro.

Sendo exato, a próxima parcela poderia ter sido a melhor até agora e cimentou o grupo de super-heróis nas mentes dos espectadores, mas vários fatores levaram ao filme não acontecer, mesmo com Michael Chiklis, Jessica Alba e o diretor Tim Story, todos pressionando pela sequência.

Siga o COMIC SITE no Google Notícias e não perca nada do universo dos heróis!

Um pouco mais de tempo no centro das atenções para esta encarnação da equipe nunca foi percebido, pois o estúdio ficou com os pés frios e o gênero de super-heróis mudou ao redor deles.

Para vocês terem ideia, tanto “Homem de Ferro” quanto “O Cavaleiro das Trevas” foram lançados em 2008, apresentando uma visão muito diferente do que os filmes de quadrinhos poderiam ser e fazendo com que os superiores questionassem se sua criação poderia alcançar esse nível de sucesso em sua forma atual.

Em vez disso, uma reinicialização parecia mais inteligente. Os fãs esperavam que o orçamento aumentasse e alguns dos desejos de Tim Story para o terceiro filme provavelmente custariam mais dinheiro para o licenciamento, se funcionassem.

Nesse sentido, algumas grandes ideias foram lançadas para o terceiro filme, incluindo a chegada dos Inumanos, Skrulls, Pantera Negra, Aniquilador e a Zona Negativa, muitas das quais não seriam baratas de realizar na tela grande.

Não há como dizer o que poderia estar reservado para a primeira fase do Universo Estendido da Marvel.

Você pode assistir “Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado” no Disney+.

Vanderlei Tenório
Jornalista, colunista/comentarista de cinema, correspondente freelance de veículos portugueses, pesquisador (Geografia Popular - IGDEMA/UFAL), bacharelando em Geografia (IGDEMA/UFAL) e editor/criador do Cinema e Geografia (CINEGEO). 6 vezes nomeado ao Prêmio Ibest.