Crítica – “Red: Crescer é uma Fera”, uma história sobre crescimento cheia de emoções

De uma maneira fofa, a animação desenvolve temas importantes como puberdade e amadurecimento.

Red: Crescer é uma Fera
Reprodução/Internet

A nova animação da Pixar, “Red: Crescer é uma Fera”, entrega uma história envolvente e emocionante. Disponibilizado no Disney+, o filme mostra a história de uma adolescente que está passando pelas transições da fase e tem que lidar com uma maneira mais expressiva de seus hormônios. Com direção de Domee Shi, o longa surpreende na abordagem de temas delicados, misturado a uma cenografia de extrema fofura.

“Turning Red” começa introduzindo a vida de Mei Lee, uma garota esforçada, que se desgasta ao máximo para deixar todos ao seu redor felizes e conquistar constantemente a aprovação de sua mãe Ming Lee, uma mulher exigente e super-protetora. A trama também desenvolve as principais características dos personagens, como as amigas da jovem e seu pai discreto.

O principal contraste da história, envolve uma herança que a família possui. Com uma devoção no templo ao Panda Vermelho, em determinado momento todas as mulheres da família desenvolve tal animal, quando suas emoções são afloradas. Quando isso acontece com Mei Lee, sua vida metódica e completamente controlada vira de cabeça para baixo e traz ao telespectador grandes lições.

Talvez seja esse um dos principais pontos que instigam tanto o público ao assistir o filme. O que a princípio parece um simples desenho fofo e animado, na verdade é uma crítica profunda ao comportamento humano. Em um primeiro instante, é notável o quanto Mei Lee se doa ao máximo para corresponder as altas expectativas de sua mãe e ao mesmo tempo tenta agradar todos ao seu redor, como as próprias melhores amigas. É cansativo acompanhar, mesmo que a garota demonstre total empolgação e felicidade com sua rotina.

Além de se remeter a produtividade tóxica, é possível enxergar que a jovem vai se perdendo no processo de autoconhecimento da idade, no entanto, o Panda Vermelho que muitas vezes é dito como uma “maldição”, na verdade é a chave para um processo profundo do crescimento da adolescente. Uma analogia que pode ser subentendida, se refere ao fato do Panda representar os primeiros hormônios da adolescência, as emoções afloradas, irritabilidade e tentativa de inserção na sociedade, mesmo com as constantes diferenças.

Red: Crescer é uma Fera
Ming Lee e Mel Lee – Reprodução/Internet

Tal noção é até dita no filme, quando a princípio a mãe acha que a filha menstruou pela primeira vez. Tais assuntos delicados,são abordados na animação de maneira leve, fluída e sem constrangimento, Isso se torna um ponto alto da produção, que trouxe para os telespectadores o fim de pré-julgamentos quanto a esse tipo de assunto.

Outra lição valiosa, envolve os traumas de Ming Lee que são diretamente apostados na filha. Ela se esforça para que tudo seja perfeito e esteja sob controle, Mei se desdobra para corresponder com esse alto padrão e ao decorrer do longa, tal comportamento é justificado pelo fato de ter acontecido o mesmo com ela. A mãe de Ming era completamente rigorosa e tentou ao máximo conter o Panda Vermelho da filha, que era devastador, nesse processo ela criou traumas que a filha depositou igualmente em Mei.

Ao analisar profundamente o Panda Vermelho, pode-se estabelecer uma série de relações curiosas e envolventes. Ele pode significar além da tradição da família, mas expressa a afloração dos sentimentos adolescente, isso é claro nas situações em que ele “aparece” e também pode se referir a uma personalidade de “fera” que as pessoas passam ao amadurecerem. A lição dentro de tal questão é emocionante, uma vez que através da figura do pai, o filme mostra que não devemos esconder quem nós somos e sim lidar com nossas características, mesmo que elas sejam inusitadas.

Além de fofo, o filme é leve e engraçado, encanta o público principalmente pela riqueza de detalhes. A cenografia de “Red: Crescer é uma Fera” é um dos pontos mais altos de sua construção, além de cenários bem construídos digitalmente, a animação apresenta detalhes que a tornam mais “real” e ambientam bem o público que se sente um personagem do filme ao assistir e viver as aventuras de Mei.

As expressões adolescentes são bem expostas e isso se dá principalmente por características como uma Boy Band (com altas referências dos Backstreet Boys) e todas as emoções da idade, fanatismo, irritabilidade, amizade e conflitos internos. A trilha sonora também contribui para tal estética, dando ao filme uma junção especial e envolvente, somado aos efeitos que garantem tal sensação.

No mais, “Red: Crescer é uma Fera” é um show de emoções, trazendo ao público um enredo reflexivo, intenso que te leva a amar cada personagem e comprar a proposta da animação logo de cara. Desenvolvendo temas como crescimento, autoconhecimento e aceitação, a animação é uma das mais bem desenvolvidas da Pixar e se destaca em meio a desenhos sobre jovens adolescentes.

Nota da autora

Avaliação: 5 de 5.