Crítica – “After Para Sempre” é um fim mais aceitável para a saga de romance

O quinto filme desenvolve bem o personagem principal pela primeira vez na franquia.

After Para Sempre
After Para Sempre – Divulgação/Diamond Films

Castille Landon entrega a quinta parte da franquia “After Para Sempre”, repetindo o gênero, mas com a intenção de inovar. Após inúmeras críticas quanto a tóxica relação mostrada nas produções que adaptam a obra de Anna Todd, há uma tentativa de mudança no último longa da saga de romance.

Josephine Langford e Hero Fiennes Tiffin retornam para o papel de casal principal com Tessa e Hardin, mas dessa vez a vida do jovem é o foco da trama. Após diversas decepções, idas e vindas do casal, Hardin precisa lidar com mais uma separação consequência de suas ações descontroladas. Além disso, ele tem uma pressão para dar continuidade no livro que escreveu contando sua relação com Tessa.

Administrar um novo eixo em uma história que passou quatro produções inteiras focadas em um casal, foi um desafio de Landon – que também atua como roteirista na produção – mais aceitável para o fim da trama. Mesmo que diferente dos livros, os principais arcos do longa exercem grande relevância para o autoconhecimento e reconciliação do bad boy que exerceu o papel de parceiro tóxico por toda a produção.

Mais uma vez, a história segue apresentando fracas funções e em especial pode-se dizer que a falta de Tessa foi suprida por inúmeras cenas de Hardin literalmente só andando por paisagens, o que torna a produção mais fraca do que o esperado. Mesmo com a fotografia e trilha sonora competentes, a história em potencial não se elevou a sua potência máxima pela falta de desenvolvimento ao longo de cada acontecimento.

Pode-se dizer que a melhor parte da construção é a reviravolta do próprio personagem que adentra em um novo arco do passado e consegue resolver sem deixar pontas soltas. Para isso, ele conta com a ajuda do pai que o reconheceu recentemente e isso torna a narrativa mais significante no final das contas. Com o foco em Hardin, é possível ver que o problema do enredo sempre foi o casal, sozinhos os personagens se desenvolveriam melhor.

Se não fosse a última cena, “After 5” terminaria de forma digna

Apesar das ressalvas que envolvem o roteiro e a construção da adaptação, o longa se desenvolve como o melhor da saga até então. Isso porque as questões mais preocupantes da trajetória nesses quatro últimos filmes foram bem solucionadas com um processo doloroso e de autoconhecimento. A maneira em que a construção foi feita entregou uma ótima produção.

No entanto, a última cena de “After” conseguiu estragar tudo que tinha sido consolidado. Quando Tessa entrou novamente no caminho de Hardin, ambos desandaram, se resolveram muito rápido e o longa cometeu o grande erro de apresentar de forma superficial o fim de um casal que caminhou por cinco anos e solucionou todas as diversas crises com um simples momento sexual e um pedido de casamento.

“After Para Sempre” tem acertos notáveis quando se olha para a saga completa. O bom desenvolvimento de Hardin e o fim da romantização do relacionamento tóxico são exemplos disso. No entanto, ao fim da trama o longa perde tudo que conquistou de bom e ainda entrega grandes ressalvas no roteiro.

Avaliação: 2.5 de 5.